Artigo

Luiz Philippe Bragança é o novo presidente da Frente Parlamentar pelo Livre Mercado

Escrito por

Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Novo presidente elencou objetivos prioritários para o mandato, em apoio ao setor, dentre eles, a abertura de mil empresas de capital aberto, e leis de combate a cartéis

Diante do atual cenário do Brasil, com queda em investimentos e desconfiança da política econômica do governo, a Frente Parlamentar pelo Livre Mercado inicia um novo mandato com o desafio de retomar o crescimento do país. O deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP), empossado como presidente do grupo, nesta quarta-feira (17), quer apoiar empresários na abertura de novos negócios e discutir a redução da interferência do Estado na economia.

Para Bragança, o mercado de capitais não deve ser voltado apenas a um público “privilegiado”. “Precisamos inserir a classe média na participação de lucros e oportunidades, além de estimular a geração de emprego e renda”, defendeu, durante a cerimônia de posse, no Senado.

O parlamentar, que assume o mandato referente ao biênio 2023-2024 após a liderança do também deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS), propõe cinco objetivos prioritários para debater em conjunto com representantes do setor financeiro. São eles:

A abertura de empresas de capital aberto é uma forma de atrair recursos e destacá-las no mercado, projetando solidez e crescimento aos negócios. Nesse sentido, a ideia é que cresçam também as oportunidades para a classe média, com mais emprego e renda. Na mesma linha está a proposta de dobrar o número de investidores em bolsa de valores. Somente no ano passado, a B3, única bolsa brasileira, registrou 5,8 milhões de investidores, um recorde histórico.

Com essas e outras medidas, a expectativa do novo presidente da Frente Parlamentar pelo Livre Mercado é que o Brasil suba dez pontos no Índice de Liberdade Econômica, levantado pela think tank norte-americana Heritage Foundation. O indicador avalia quais países são mais ou menos liberais na economia.

Atualmente, o Brasil está na posição 127 desse ranking — de um total de 176 países —, e, com isso, está mais próximo de nações de regimes totalitários, como China (154ª), Venezuela (174ª), Cuba (175ª) e Coreia do Norte (176ª). Os dados são relativos a meados de 2021 até junho de 2022.

Paralelo a esses incentivos, a nova gestão da frente quer trabalhar em cima de leis de combate a cartéis e oligopólios.

Mesa diretora

A Frente Parlamentar pelo Livre Mercado é composta por cerca de 200 integrantes, entre deputados, senadores e corpo técnico. Ao lado de Luiz Philippe de Orleans e Bragança, estará o vice-presidente e senador Eduardo Girão (Novo-CE), e a secretária-geral e deputada Bia Kicis (PL-DF).

A mesa diretora também é formada pelas seguintes autoridades e as respectivas áreas de atuação:

Dep. Marcel Van Hattem (Novo-RS)Coordenador Político pela Câmara dos Deputados
Sen. Carlos Portinho (PL-RJ)Coordenador Político pelo Senado
Dep. Gilson Marques (Novo-SC)Liberdade de Consumo
Dep. Mendonça Filho (União-PE)Finanças e Tributação
Dep. Kim Kataguiri (União-SP)Abertura Comercial
Dep. Filipe Barros (PL-PR)Mercado de Energia
Dep. Joaquim Passarinho (PL-PA)Investimentos e Parcerias
Dep. Maurício Marcon (Podemos-RS)Mobilidade, Infraestrutura e Logística
Dep. Pedro Lupion (PP-PR)Liberdade econômica no campo e direito de propriedade

Participaram da cerimônia, dentre outras autoridades, o secretário de Relações Institucionais do Partido Liberal, general Braga Netto; os senadores Eduardo Girão (Novo-CE) e Alan Rick (União-AC); e os deputados Marcel Van Hattem (Novo-RS); Nikolas Ferreira (PL-MG); Any Ortis (Cidadania-RS); Maurício Marcon (Podemos-RS).

Comente

Você acredita que o governo ira cumprir a meta fiscal em 2023?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Conteúdos relacionados

O Eixo do Mal Ressurge

Quando se esperava que o fascismo tivesse voltado às trevas de onde saiu, ditadores ressurgem graças à omissão dos ignorantes, e o governo brasileiro faz

Ler mais