O que é o livre mercado e a sua importância para o desenvolvimento econômico de um país como o Brasil.
O que é o livre mercado e a sua importância para o desenvolvimento econômico de um país como o Brasil.

O Livre mercado é uma troca espontânea entre dois agentes, atendendo a um interesse mútuo. Quanto mais livre, mais promissora, gratificante e próspera será essa troca.

Eu preciso de frutas. Alguém planta, colhe e vende essas frutas. Há uma troca livre, espontânea e  desejada, de bens por compensação econômica. Essa troca será perpetuada se ambos se sentirem honestamente gratificados. Caso contrário, haverá a troca dos agentes. Buscaremos outras alternativas.

Isso é um livre mercado. A principal característica é a ESCOLHA, a OFERTA. Vende-se a preço justo, qualidade compatível e de acordo com a demanda.

A questão é que insistentemente os governos de esquerda tentam corromper essa simples ordem de coisas disseminando a errada idéia de que em toda troca há um explorador e um explorado. O Estado passa a ter que cuidar do cidadão porque esse não é capaz de escolher por si próprio.

O livre mercado acaba quando o Estado começa a interferir na economia de distintas formas, sufocando pouco a pouco a economia, até paralisá-la completamente.

Impostos excessivos, de forma a alterar a capacidade competitiva dos agentes produtores. Passa a ser mais barato importar da China que consumir um produto interno. E aos poucos, sem massa crítica de compra, um setor inteiro tende ao colapso, pela falta de investimentos.

Regulamentações de diversas ordens: alíquotas de impostos, registros, leis e controles de preços. O Estado passa a decidir como e em que termos as relações devem acontecer. Acaba a livre escolha.

Excesso de burocracia: registros, cartórios, trâmites eternos, morosidade…tudo aumentando o custo dos produtos, tornando o sistema moroso e acelerando a perda da competitividade.

E finalmente, os Monopólios. O Estado passa a controlar setores inteiros – Petróleo, Correios, Previdência, Energia, etc. E o que acontece com o cidadão? Vira refém, de péssimos serviços a altos custos. 

É a isso que insistentemente temos que combater. Quebrar esse paradigma de que o Estado deve zelar pelas transações, cuidar para que o cidadão na seja explorado. Temos que prosperar. E para isso nossa economia precisa fluir por si. O cidadão é capaz de decidir pelo melhor serviço, pela melhor oferta. Cansamos de sermos tratados como ignorantes dependentes de um Estado doente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here