A indústria do Brasil deve ser destravada e incentivada para o total desenvolvimento do país
A indústria do Brasil deve ser destravada e incentivada para o total desenvolvimento do país

A economia de um país é mantida por um tripé: o agronegócio, o setor de serviços e a indústria.

‪Do ponto de vista econômico, o agronegócio deve ser visto como gerador de reservas cambiais, pois produz material de fácil exportação, o que traz moeda forte para dentro do Brasil. O agro não deve ser encarado como principal gerador de empregos de um país desenvolvido.

Com a mecanização, os ganhos de escala nesse segmento são maiores que nos demais setores, o que acaba aumentando sua participação no PIB.

Agricultura brasileira representa mais de 20% do PIB brasileiro.
Agricultura brasileira representa mais de 20% do PIB brasileiro.

O setor de serviços emprega muita mão de obra por Real de receita gerada, um nível superior ao agronegócio. Esse segmento ainda pode ser melhor desenvolvido, já que ele é sensível à reforma trabalhista.

Na minha opinião, entretanto, o setor que tem tudo para ser o maior gerador de empregos e oportunidades de maneira sustentável é o industrial. Ele emprega bem, desenvolve a economia e tem alta lucratividade por capital investido.

Infelizmente esse desenvolvimento não é fácil. Esse setor depende de tudo:

1) Ampla reforma tributária;
2) Desburocratização;
3) Reforma de leis trabalhistas;
4) Reforma de leis ambientais;
5) Setor financeiro mais competitivo;

Resultado de imagem para burocracia no brasil

Os desafios são grandes mas válidos. A indústria é uma área em que o Brasil terá mais a ganhar do que qualquer outro setor. Podemos ser extremamente competitivos com qualquer outra nação, pois temos uma excelente vantagem competitiva: disponibilidade doméstica de matéria prima.

Para isso acontecer deve ser criado um ambiente jurídico que coloque o Brasil em linha com o denominador mínimo comum da concorrência, ou seja, das indústrias emergentes de países como a China, Índia, Paquistão, Coreia, etc.

Não dá para se estressar o quanto um setor industrial revitalizado pode representar em ganhos econômicos e estratégicos. De forma simples, é inverter a lógica da balança comercial brasileira, atualmente formada pela exportação de commodities baratas e importação de produtos importados transformados de maior valor agregado.

A indústria desenvolve não apenas a si mesma, mas a toda cadeia produtiva. É uma das razões pela qual os Estados Unidos investem na indústria militar, que por ser extremamente moderna exige desenvolvimento tecnológico em chips, processadores, ligas metálicas, softwares e derivados.

Resultado de imagem para submarino nuclear brasileiro
Submarino convencional projetado e construído no Brasil. Unidade nuclear deve ser lançada até 2028, tornando o Brasil o sexto país do mundo a dominar a propulsão nuclear em submarinos. Além de garantir a defesa nacional, isso possibilita ao país exportar submarinos e ganhar muito bem com isso.

Destravar e desenvolver a indústria é o que colocaria o Brasil dentre os 3 países mais ricos do mundo em 10 anos.

Não chegaremos lá somente vendendo commodities ou servindo uns ao outros. Precisamos transformar matéria prima em produtos que o mundo queira consumir. Precisamos produzir.

1 COMENTÁRIO

  1. Olá Luiz Philippe,

    O setor Industrial pode crescer muito no Brasil, mas não pode seguir um ‘Nacionalismo Ingênuo’, para lembrar Monteiro Lobato. As indústrias brasileiras não podem ficar dependentes de incentivos do governo, necessitando de financiamento de bancos públicos, reservas de mercados, etc. Quando surge o assunto de Indústria, a discussão usualmente acaba caindo para o lado de que o governo deve proteger/salvar o setor.

    Um caso curioso de como age o nosso governo é o que o Marcelo Odebrecht disse em seu depoimento para a Lava Jato. Quando fala das ‘sondas’ que tinham que ser produzidas no Brasil, lembra que a porcentagem de ‘componentes nacionais’ pedidas era num nível que nem a Coreia do Sul conseguia alcançar e por isso tiveram que fazer alguns ‘ajustes’ nos papeis. Ou seja, o Governo Brasileiro exige uma porcentagem qualquer sem fazer uma análise séria, jogou um número para falar que grande parte dos componentes das ‘sondas’ foi produzida no país.

    A transformação, como bem listada pelo senhor, tem que partir de reformas do Estado Brasileiro. Com um aquário mais limpo os peixes podem se multiplicar.

    *Um pouco fora do assunto. A espionagem industrial já é um dos grandes desafios atuais, vide: https://www.bloomberg.com/news/features/2018-10-04/the-big-hack-how-china-used-a-tiny-chip-to-infiltrate-america-s-top-companies . Esse provavelmente vai ser o maior desafio para o crescimento da indústria militar brasileira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here